Se não tratado de forma apropriada, o pelo encravado pode se tornar um grande transtorno para pacientes. Inflamação, pus e dor são alguns dos “imprevistos” que um simples pelo pode ocasionar. Em um primeiro momento, o paciente pode tentar remover o pelo sozinho em casa, mas a recomendação é que isso só aconteça nas circunstâncias devidas, já que o uso de agulhas não esterilizadas e o manuseio excessivo da área podem piorar uma situação que seria simples de resolver se um médico fosse consultado.

Confira algumas dicas para tratar pelos encravados:

1. Identifique se esse é o único pelo encravado ou se você tem muitas “bolinhas” na região de crescimento. Se esse for o caso, é necessário procurar um dermatologista para descobrir e tratar a causa.

2. Só tente retirar o pelo se o fio já ultrapassou a superfície da pele.

3. Utilize agulha e pinça esterilizadas propriamente.

4. Procedimento: tente levantar a ponta do fio com a agulha e segure o pelo com o buraco da agulha, vire-a e puxe o pelo para fora (esse método é parecido com o utilizado para limpeza de cravos, com exceção que você não deve e não precisar usar de força para retirar o pelo, ele deve vir sozinho para não provocar uma inflamação).

5. Se o pelo não sair facilmente, não “cavoque” a região. Isso pode levar a infecção, escurecimento da região e cicatrizes desagradáveis.

6. Se você costuma ter pelos encravados com frequência, se o pelo ainda estiver preso sob a pele ou se você não tiver material esterilizado, procure um dermatologista. Se não for possível remover o pelo mecanicamente, é possível usar produtos com esfoliadores químicos como ácido salicílico para remover a camada superior de pele e liberar o pelo.

 

Deixe um comentário (*campo obrigatório)