1. Cirurgia de Redução

Esse procedimento é, normalmente, procurado por pessoas que acham o nariz desproporcional às outras partes de sua face. É possível, com essa cirurgia, diminuir o tamanho ou largura do nariz.

– Asas Nasais: as laterais arredondadas do nariz também são conhecidas como “asas nasais”. Para atingir o resultado desejado pelo paciente, é feita a retirada de parte do tecido que compõe as asas do nariz. Para o cálculo da largura ideal ou proporcional do nariz, é necessário levar em conta a etnia do paciente. Narizes caucasoides, por exemplo, possuem uma proporção padrão diferente dos narizes negroides, que são naturalmente mais largos.
-Dorso Nasal: a parte de cima do nariz, ou dorso também pode passar por redução. As situações mais comuns são: dorso muito alto, muito largo, ou com giba (protuberância, também chamada de calombo ou curvinha). Para descobrir qual é a medida certa para o rosto do paciente, é necessário fazer uma avaliação da altura do dorso de acordo com as características femininas e masculinas consideradas padrões. Para calcular quantos milímetros serão rebaixados, faz-se uma linha reta do início até a ponta nasal. O nariz feminino possui um dorso com aproximadamente 2 milímetros de distância da linha, chegando a ser quase paralelo. Já os homens não devem rebaixar muito o dorso, devendo este se posicionar na exata altura da linha ou com uma distância mínima.

2. Cirurgia de aumento

As razões para o aumento das dimensões do nariz podem ser as seguintes: subdesenvolvimento nasal congênito, perda de parte do nariz após acidentes, como cirurgia secundária após um procedimento mal sucedido ou também para a obtenção de um resultado estético mais satisfatório para o paciente em questão. A técnica utilizada dependerá de cada caso e do cirurgião plástico.

– Dorso Nasal: a elevação do dorso nasal é mais comum entre descendentes de asiáticos e africanos, devido a suas características genéticas, entre as quais está a raiz e o dorso baixos. Em alguns casos a rinoplastia é funcional e não apenas estética, já que alguns pacientes podem ter o dorso tão baixo que não seja possível apoiar os óculos, por exemplo.

3. Rinoplastia Pós-traumática

Lesões sofridas no nariz podem causar danos aos ossos e cartilagens, alterando a estética e funcionalidade. As alterações mais comuns são desvios no septo (que deixam o nariz torto e resultam em problemas respiratórios e congestões nasais) e assimetrias.

4. Correção da Columela

A columela é a parte que fica entre as duas narinas. Muitos pacientes se sentem insatisfeitos com a aparência de seu nariz, mas não saber identificar precisamente o que os incomoda. Por ser o caso de uma columela retraída ou pendente.

5. Nariz caído ao sorrir

É comum que pacientes procurem pela rinoplastia como solução para o desconforto com o nariz, principalmente no momento de sorrir ou em perfil, quando é possível observar a ponta do nariz se aproximar dos lábios. Isso ocorre por conta de um músculo chamado “depressor da ponta do nariz” . A solução adotada pelo cirurgião plástico é romper a ligação entre a ponta do nariz e o lábio superior.

6. Nariz arrebitado

Para ter o desejado “nariz arrebitado” é necessário que a ponta se projete e rotacione para cima. Suturas são feitas para reposicionar, remodelar, trazendo simetria à ponta nasal. Em muitos casos, também pode ser necessário realizar um enxerto na columela para auxiliar o efeito arrebitado. Para saber qual é a medida ideal para conseguir um nariz um arrebitado e não sair da cirurgia com “nariz de porquinho” é preciso seguir alguns parâmetros. O ângulo entre o nariz e o início do lábio é diferente para homens e mulheres: no rosto masculino, o ângulo vai de 90º a 100º, enquanto que na face feminina, o ângulo é de 100º a 110º. O ângulo nasofrontal também é usado nesse cálculo estético e é o mesmo para homens e mulheres: de 30º a 35º, aproximadamente.

Deixe um comentário (*campo obrigatório)